Capitulo 02 -- Ato 01 - Uma noite de Terror (missão rápida, único post)

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Capitulo 02 -- Ato 01 - Uma noite de Terror (missão rápida, único post)

Mensagem  Destroer em Qui Jan 14, 2016 7:10 pm

//Staff




Missão Rápida (Único Post):  Uma noite de Terror

Nos últimos meses muitas pessoas tem morrido, tanto pessoas comuns as quais você nunca ouviu falar, como pessoas de destaque, falo daqueles com capas, uniformes, mascaras... Isso sempre acontece, é a ordem natural das coisas, até mesmo para pessoas que se dizem acima da humanidade, sempre a alguém capaz de ceifar suas vidas.

Gotham pode não ser um lugar exemplo, mas a certas coisas que nem mesmo lá seriam consideradas normais. Vários caixões de Gotham estavam vazios, segundo a Gordon as evidencias apontavam que os túmulos teriam sido abertos de dentro para fora. Um outro problema que não era divulgado pela imprensa, era que Gotham vendia a outras cidades espaços em seus cemitérios para aqueles corpos que nenhuma família reclamou o corpo.

Podem estar se perguntando o que vocês tem haver com isso, mas o fato é que esta noite você esta em Gotham, devido um convite misterioso que teria recebido. O convite falava sobre uma festa da cidade e por algum motivo você estava entre os convidados, mesmo que para alguns de vocês não haja ligação alguma com a cidade. Por curiosidade ou qualquer outro motivo, você esta presente e eis que começa o problema.

A festa estava indo bem, comida e bebidas livres, algumas ações de caridade, até as luzes se apagarem. Até então nenhum problema quanto a isso, mesmo sendo Gotham. Porém um grito em meio das pessoas lhe chamava atenção e enxia os corações dos convidados com o medo.  A luz se acendia novamente, eis que surgia um homem flutuando entre os convidados.

O homem era alto e forte, talvez alguns o reconheceria devido alguma matéria da televisão ou talvez até pessoalmente. Se tratava do Aquamen, ele teria sido morto a cerca de um mês atrás quando a liga da justiça enfrentará Thanos.



Ele pronunciava o juramento.

No alto dos céus,
A noite Mais Densa desponta
Enquanto a luz morre,
A escuridão toma conta
Almejamos seu fim e miramos seu coração
Pela minha mão negra
Os mortos se erguerão!


Ele claramente representava a morte, e parecia estar atrás de alguns que estavam na festa, recitando o nome destes e o seu nome era um deles.

- Rendam-se a morte, e serão recompensados!

Era o que ele falava pouco antes de investir contra vocês querendo os matar.


-----

No fim do combate Aquamen se retirava do combate quando via a derrota iminente, um anel estranho voava até um dos seus dedos, você então escutava em sua mente o juramento e o fazia espontaneamente caso aceitasse tal poder.

-Informações-

Obs: Lembrem-se que é livre para vários jogadores, então NÃO diga que o venceu sozinho, pois os outros também iram postar, levando em consideração a postagem de cada um que o fez.

Nível do Desafio: Ele possui poderes o suficiente para lutar de igual para igual contra todos vocês ao mesmo tempo! (Níveis aqui!)
Poderes: Força, resistência e reflexos acima do limite humano. Capaz de infectar os outros através de mordidas que apodrecem suas acarnes. Capaz de ressuscitar os outros transformando em outros lanternas negros.  Capaz de Voar e se regenerar por completo. Pode criar objetos, escudos e qualquer outra coisa que a imaginação deles deixar, fazendo através de uma energia negra.

Recompensa: Escolha apenas um anel que combine com o seu personagem. A cada 20 linhas o anel terá uma carga, cada carga realiza apenas uma ação:

Laranja
Emoção: Cobiça
Poderes: Criam avatares dos seres que tomarem e matarem, roubando sua força. Drenan energia verde, amarela, vermelha, permitem voo e campo de força
Ponto Fraco: Não consegue drenar energia azul.
Juramento:
Com a cobiça e avareza queimando a frente,
Aceite o anel e se junte com a gente,
Da raça mesquinha á poder final,
De luz laranja para a noite mais densa primordial.

Amarelo
Emoção: Medo
Poderes: São capazes de criar qualquer forma que imaginar, voo, campo de força.
Ponto fraco: Pode parar de funcionar na presença de um anel azul.
Juramento:
No dia mais sombrio, na noite mais brilhante,
sinta seus medos se tornarem uma luz cortante.
Todo aquele que o correto tentar barrar
arderá em chamas quando o poder de Sinestro enfrentar.

Verde
Emoção: Força de Vontade
Poderes: Através da força de vontade são capazes de criar qualquer coisa que imaginarem, anel permite voo, campo de força e comunicação.
Ponto fraco: Membros novos têm dificuldades para usar o anel.
No dia mais claro,
Na noite mais densa,
O mal sucumbirá ante a minha presença
Quem venera o mal tudo perde
Frente ao poder do Lanterna Verde!

#cock robin #someone | XX words | idk what i'm doing ©

_________________
"Nem o céu admite dois sóis, nem a terra dois senhores."

- Alexandre o Grande
avatar
Destroer
Neutros
Neutros

Mensagens : 966
Moedas : 4130
Data de inscrição : 11/01/2015

Ficha do personagem
Nível:
Grupo: H.Y.D.R.A.
Raça: Humanos

Ver perfil do usuário http://rpgamalgama.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capitulo 02 -- Ato 01 - Uma noite de Terror (missão rápida, único post)

Mensagem  Abudak Zhalur em Sab Jan 16, 2016 9:30 pm



"Mesmo Após o Último Suspiro,
O Mal Ainda Estará em Vós."

*DA-LEE*

Uma gota de sangue pingou sobre o envelope. O que aquilo fazia ali? Soltei o corpo do traficante, enquanto apanhava o papel negro, com letras de um vermelho sangue escrito "Para Da-Lee & Abudak". Não hesitei em abri-lo e ler o convite para uma grande festa que ocorreria em Gotham City, porém, considerando o aspecto do envelope, diria que talvez a recepção não fosse tão amigável como gostaria. "Sou o único que sente algo de suspeito sobre isto?", escutar a voz do demônio se tornara tão frequente que parecia estar ouvindo meus próprios pensamentos com uma voz distinta.
- Não, mas o que custa irmos? Se pretende ficar neste mundo seria interessante socializar mais - sorri sarcasticamente, pois podia sentir a irritação emanando de Abudak.
Um traficante de cocaína havia adquirido uma cobertura próxima do centro de New York, entretanto, sua propriedade fora cobiçada pelo Príncipe do Inferno, que durante um voo pela cidade observara o quão boa seria a vista dali. Sem muitas dificuldades, ainda mais em sua forma demoníaca, Abudak destroçou os seguranças do traficante e depois devorou boa parte do rosto do proprietário. Somente após se satisfazer, colocou a cabeça da feiticeira sobre a mesa e voltou a forma humana, foi nesse momento que encontrei o envelope próximo a porta. Coincidência? Acho difícil de acreditar.
De alguma forma o responsável pelo convite sabia que passaríamos ali e isso só podia demonstrar que o mesmo possuía um conhecimento além do natural.
- Fico imaginando quando os comparsas desse traficante vão sentir sua falta - o interior da cobertura realmente oferecia um conforto e luxo acima da média, somente alguém que já fora rico alguma vez saberia do que falava - O que vamos fazer com os corpos?
"Podemos jogá-los em algum rio mais tarde... Mas relevei sobre o que falaste, talvez seja interessante verificarmos essa festa".
- Quer encontrar quem enviou o convite. Certo? - senti um energia de excitação crescendo dentro de mim, a criatura das trevas estava determinada em cumpri com isso.

*ABUDAK ZHALUR*

Todo seu corpo cresceu, asas surgiram em suas costas e poderosas garras se formaram em seus dedos. Seus dentes cresceram até se tornarem poderosas presas perfeitas para dilacerar, enquanto o poder infernal emanava de Abudak. Antes de voar, notou um colar preso ao pescoço do traficante, arrancando-o e usando seu cordão para prender a pedra que roubara da mulher de branco, deixando o objeto preso ao seu pescoço. Feito isto, suas asas se abriram e saltou para a queda, desviando-se do solo a poucos metros. Era questão de tempo até chegar em Gotham, onde Da-Lee havia sido vítima de um louco que o drogara com algum tipo de alucinógeno poderoso. Pelo menos essa experiência lançara a mente do jovem nas mãos do demônio, que pudera se aproveitar da situação para corromper a sanidade do mortal.

Depois de algumas horas em voo contínuo, Abudak avistou a cidade e se deslocou até onde estava previsto acontecer o evento, pousando ao lado de um carro de onde saía um rapaz vestindo trajes de gala. Tinha quase as mesmas proporções que Da-Lee, logo seria de utilidade. Usando de seu poder de atração, puxou o homem para dentro do beco, quebrando seu pescoço com um rápido movimento para evitar de chamar atenção indesejada.


*DA-LEE*

Que azar da parte dele... Morto por causa de algumas roupas, pena que ficou um pouco larga nos ombros. De volta a forma humana, troquei nossas vestimentas, agora sim estava apto para adentrar na festa. Só de observar o exterior podia notar que o evento proporcionava o melhor em vários sentidos, logo não seria eu a fugir desse padrão. Movendo-se suavemente no embalo da melodia, passava próximo dos garçons e apanhava alguns aperitivos, precisava consumir algo que não fosse carne humana, estava enjoado da dieta de Abudak.
As coisas transcorriam sem anormalidade alguma, o possível anfitrião não se revelara e para passar o tempo flertava uma jovem de longos cabelos loiros. Acreditava realmente que estava me seduzindo, com todo seu charme provocante e dotada de uma beleza natural, porém, nem imaginava que podia ver seu pecados e segredos sombrios. Uma interesseira maldita, se aproximando de homens ricos para seduzi-los e posteriormente roubá-los das mais diversas formas. Durante nosso dialogo as luzes subitamente se apagaram.
- O que é isso?! - ela se desesperou rapidamente com a situação, mas isso pouco me importava.
- Isso... É a verdadeira festa começando - algo grande estava para acontecer, Abudak transmitia toda energia maligna que vibrava ao nosso redor.
Um gritou sobrepujou todas as vozes interrogativas, forçando o silêncio a se instalar. Quando as luzes acenderam, rapidamente a atenção de todos se fixaram num homem alto e forte, flutuando entre os convidados. Não o reconheci de imediato, mas minha acompanhante sussurrou involuntariamente.
- Aquaman... Ele não tinha morrido? - seus olhos arregalados fitavam o super herói morto, aliás, não tão morto.
- Não gravo o rosto nem de quem está vivo, imagina dos mortos - o convidado surpresa começava a falar algo.
- No alto dos céus, A noite mais densa desponta - parecia que o ambiente se tornava levemente gélido, como se a própria morte pairasse sobre todos - Enquanto a luz morre, A escuridão toma conta, Almejamos seu fim e miramos seu coração, Pela minha mão negra, Os mortos se erguerão!
Depois de dizer essas palavras Abudak estremeceu, certamente aquilo lhe incomodava. O morto-vivo bradava vários nomes dizendo que a Morte os aguardava e por alguma razão o nome do demônio estavam entre os falados.
- Vocês se conhecem de algum lugar? - questionei em voz alta Abudak.
- Como? - a loira não entendeu o que disse, obviamente não percebia que falava com outra pessoa.
O Príncipe permaneceu em silêncio, apesar de sentir o quão abalado ficara após ouvir aquelas palavras. O que podia perturbar esse monstro? Não conseguia imaginar essa realidade, mas estava ali, se apresentando diante de mim. De alguma forma Zhalur ficara tão desequilibrado que suas barreiras mentais cederam e parte de suas memórias ancestrais alcançaram meus pensamentos.

*FLASHBACK*

O demônio estava esquartejado sobre uma rocha escarlate, sem as pernas e os braços, completamente ferido e impotente. A maldade ali presente me permitia saber que estava no verdadeiro Inferno, diferente daquilo que Abudak me mostrara uma vez, uma dor e um ódio tão intenso fazia o ar negativo e insuportável, um mortal enlouqueceria ali facilmente. Seis entidades de grande poder observavam a criatura largada diante deles, somente um se aproximou alguns passos, deixando as sombras e revelando sua aparência. De pele e vestimentas vermelhas, com uma longa capa chegando até os pés, um par de chifres demoníacos projetavam-se de sua cabeça e seus olhos tinham um brilho dourado. Aquele ser evidentemente carregava um poder incomensurável e de alguma forma sua natureza era tão corrompida e maligna quanto a de Abudak, sentia que ambos deveriam ser parecidos em sua essência, criaturas das trevas e do mal.
- Traidores... - o demônio indigo tentava falar, mas os ferimentos eram severos e o sangue negro em sua boca o fazia engasgar - Usurpando o que é meu por direito...
- Seus dias terminaram, irmão... Não há mais espaço para ti entre nós - a mão dele tocou sobre o peito de Zhalur.
- Meph... Aaaaahhhh!!!! - uma dor infernal tomou controle de Zhalur.
O corpo do demônio estremeceu inteiro, o sangue que escorria de seus ferimentos ferveram, rachaduras se formaram por todo seu corpo emitindo uma forte luz escarlate. Gritou desesperado e cheio de dor, antes de seu corpo se desintegrar numa explosão de pura energia, sua existência chegava próxima de ser apagada. Sendo desfeito em incontáveis partículas que se espalhavam por todo Inferno, me sentia desconfortável com aquela sensação. Um ódio transbordante, raivoso e incapaz de ser contido vibrava junto com o que um dia fora Abudak. Um desejo insaciável de morte... De vingança.


*DA-LEE*

Confuso e irracional... Que tipo de lembrança era aquela? "Esqueça isso garoto, se concentre no presente que está à nossa frente".
- Você gostava dele? - olhei para a golpista, que como os demais estava atônita.
- Do Aquaman? Claro! Ele é um super herói... Apesar de estar um pouco diferente.
- Me faz um favor então, diga oi por mim - com minha super força a segurei pelo braço, lançando-a diretamente contra ele.
Foi um pouco cômico observa-la voando em direção ao morto-vivo enquanto gritava freneticamente, até que o mesmo a golpeou, a jogando contra o solo. Tamanha foi a força do soco que seu corpo se quebrou inteiro, jorrando sangue sobre os convidados mais próximos. Isso foi o que faltava para instalar o caos, pois rapidamente vários gritos ecoaram pelo espaço, pessoas passaram a correr desesperadamente em todas as direções tentando se evadir dali o mais rápido possível.
Unindo minha super força e minha super velocidade, cheguei rapidamente próximo ao Aquaman, socando-o diretamente no peito. O desgraçado recuou míseros centímetros, fazendo meu golpe parecer mais um carinho do que um ataque propriamente.
- Porra! Você é durão cara - precisaria usar de outros meios para enfrentá-lo.
- Não se pode matar o que está morto! - agarrando meu braço, me puxou sobre si mesmo, me batendo com força contra o chão - E o que está morto deveria permanecer assim, Abudak...
Sem me soltar, fui lançado como se joga uma bola, caindo e rolando por sobre as mesas, derrubando e ferindo algumas pessoas no percurso, até se chocar contra a parede. Doloroso e irritante isso, não demorei muito para me por em pé, enquanto minha regeneração acelerada colocava os ossos de meus braços no lugar e os cortes e ralados cicatrizaram quase que imediatamente.
- Um favorzinho aqui Príncipe do Inferno, esse maldito vai ser difícil - "Pensei que já tinha se esquecido, Da-Lee... Pode deter alguns de meus poderes, mas você ainda é completamente dependente de mim" - Cala a boca! Só faça...

*ABUDAK ZHALUR*

A cada passo que avançava o corpo se transformava, revelando a verdadeira forma do demônio. Parando e inclinando-se à frente, sua boca aterradora se abriu liberando um grito hiper sônico, explodindo todas as taças e vidros, os tímpanos das pessoas que estavam no caminho explodiram, fazendo sangue escorrer de seus ouvidos enquanto tombavam mortas no chão. O mensageiro da morte apenas cruzou os braços diante de si, sua nova condição física tornava insignificante ataques sonoros.
- Acho que já sei a quem devo o convite... Não é todo dia que a Morte te procura - batendo as asas a criatura das trevas colocou-se alguns metros acima, observando o lanterna negro subindo até ficar flutuando na mesma altura.
- Por quanto tempo achou que ficaria impune? Ninguém escapa da vontade de Nekron - usando da energia negra, criou uma enorme foice e a moveu, tentando corta-lo ao meio.
Usando de suas técnicas de ninjutsu, Abudak esquivou-se em pleno ar da foice, passando por sobre o alvo e criando tentáculos de sombras com o umbralismo que o envolveram pelo pescoço, acrescentando ao movimento sua super força para joga-lo contra o chão. As proporções do ataque foram suficiente para afunda-lo no chão e fazer o mesmo rachar por alguns metros, seguido por um sopro de chamas infernais com a magia do fogo negro.
- De onde tirou essa ideia? Ninguém está acima de mim para me julgar - carregado de fúria, Abudak observava o fogo negro consumindo tudo em volta de onde seu oponente fora lançado.
Através de uma cúpula de energia negra, o lanterna de Nekron dissipou o fogo saindo ileso da sequência que recebera e voando contra Zhalur que tentou se afastar, mas suas velocidades eram incomparáveis. Aquaman aplicou uma joelhada contra o estômago do demônio, depois juntou seus punhos e desferiu um soco em conjunto sobre sua cabeça, fazendo-o afundar no chão da mesma forma que lhe acontecera.
- Occursum vocationem nocte! Serve mors! Serve Nekron! - a mesma aura negra que envolvia o lanterna passou a brilhar em torno dos cadáveres que já se amontoavam por ali, fazendo-os se erguerem como zumbis e avançarem contra a criatura das trevas.
- Acha que é o único que pode invocar alguns peões? - usando novamente do umbralismo, lançou uma espécie de sombra como um longo tapete e do próprio chão demônios humanoides feitos de treva se ergueram, entrando em confronto com os mortos-vivos.
Antes que pudesse voltar sua atenção para o inimigo, Aquaman desceu até parar ao lado dele, chutando-o diretamente na face e o socando algumas vezes em sequências, até disparar um jato de energia negra que o lançou longe.
Abudak Zhalur não consentia com aquilo, em ser humilhado e derrotado. Sua ganância estava além dessa submissão forçada... Perdera seu domínio no Inferno, perdera o próprio direito de existir. Sua vinda ao mundo mortal só tinha um propósito, um caminho de conquista e destruição. Ao longe avistava outros combaterem o servo de Nekron, lhe dando trabalho considerável, nesse momento um anel desceu até parar a sua frente, colocando-o em seu dedo médio da mão esquerda.
Uma voz ecoou em sua mente, sentia uma avareza descomunal vibrar entre cada sílaba... Uma ganância tão intensa que chegava a ser compatível com o que o demônio almejava.
- Com a cobiça e avareza queimando à frente, Aceite o anel e se junte com a gente, Da raça mesquinha ao poder final, De luz laranja para a noite mais densa primordial! - o anel brilhou numa cor laranja, permitindo ver com mais clareza o símbolo esculpido sobre si, um círculo com quatro riscas na parte superior e duas riscas na parte inferior.
Uma energia da mesma cor cobriu todo seu corpo, deixando-o com uma aura laranja enquanto uma vestimenta preta e laranja se formava sobre sua pele. Batendo as asas o Príncipe do Inferno ergueu voo, sentindo uma nova direção... Um novo rumo a tomar.

avatar
Abudak Zhalur

Mensagens : 43
Moedas : 1452
Data de inscrição : 22/11/2015

Ficha do personagem
Nível:
Grupo:
Raça:

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capitulo 02 -- Ato 01 - Uma noite de Terror (missão rápida, único post)

Mensagem  Victor von Doom em Ter Jan 19, 2016 4:26 pm

Homem
Invencível
Yet other enemies will come! Other battles will be fought! But no matter who the foe...what the danger...Victory will be mine... for now, and for always!




Latvéria...


Após o fim da fundação eu não precisava mais fingir, meus objetivos referente a aquela fundação já teriam sido alcançados agora era o momento de seguir para o próximo objetivo, a capital! Teria que dar alguns paços para isso e precisaria de mais poder e recursos para isso.

Hoje recebi um convite misterioso, e sei que não sou do tipo que costuma receber convites para festas, e os últimos acontecimentos me faziam crer que aquilo estava longe de algo amistoso. Porém Victor von Doom não teme a ninguém, se achavam que vão me desafiar eu mostrarei com o que fiz com a ultima que tentou.
- Estarei no jogo deles, porém o tabuleiro será o meu.
Arrumei alguns protocolos antes de fazer a viagem, desta vez não estaria despreparado para eventualidades. Desta vez poderia aproveitar qualquer oportunidade para ganhar mais poder, diferente das ultimas vezes.

Finalmente estava no voo em direção a Gotham, em algumas horas estaria lá. Abri o convite mais uma vez, lá falava sobre uma festa naquela cidade estranha, onde não a ordem por falta de pulsos fortes de seus governantes e policia local... Se estivessem em meu governo as coisas seriam diferentes lá, mas uma coisa por vez, primeiro preciso da Latvéria.



Gotham City...




Algumas horas depois começava avistar aquela cidade, poucas luzes brilhavam lá em baixo, até mesmo de cima aquele lugar era sombrio, opaco e sem vida, tão escuro quanto um buraco de vermes... É bom estar aqui mais uma vez e ver os pontos a qual essa cidade falha.

O sinal era dado, o avião estava para descer, apenas aguardei o pouso, e quando ele ocorreu peguei um carro até a festa. No caminho passamos por varias ruas escuras, dava para ver até alguns vultos por elas, e pessoas andando assustadas e com medo, precisavam chegar em casa mais nem sabiam se chegariam, aquela cidade me dava repulsa.

Mais alguns minutos e estava chegando ao local da festa, era o que o motorista falava, e ele estava certo. Chegando ao local, eu desci do carro e adentrei na festa, como da outra vez não utilizei o elmo, não queria chamar mais atenção que o necessário.

Fiquei lá na festa, evitei comidas e bebidas, tentando saborear apenas as coisas que pareciam ser mais seguras, não sabia que tipo de inimigo eu estava esperando, quem teria feito o convite. Enquanto caminhava entre os convidados, avistava aquele homem novamente, e não acredito em coincidências, algo grande estava para ocorrer novamente.

Antes de qualquer palavra houve o apagão, era quando ele surgia, Aquamen! A contra parte de Namor, meu antigo aliado. Só existia um problema quanto a isso, ele estava morto a algum tempo, como voltou? E porque esta estranho dessa forma?

Um dos vidros do local era quebrado e adentrava no local um Doombot segurando o meu elmo, eu o coloquei enquanto via aquela aberração. Era dado inicio a um combate duro e complicado, estávamos enfrentando alguém tão forte quanto um dos principais membros da liga da justiça, e além disso ele estava com poderes concedidos por um anel negro em seu dedo, que lhe dava capacidades muito além do que ele era, consegui notar isso através dos meus sensores que notavam uma enorme fonte de energia vindo do anel.

Ele invocava os mortos, e aquele outro invocava as sombras, porque não equilibrar mais as coisas? Em meio o combate invoquei demônios, o ataquei com magia negra e com os armamentos da minha armadura... Mesmo todos atacando era difícil faze-lo recuar, mas insisti naquilo, não iria desistir daquele combate! Até o meu Doombot já estava morto, sem falar de alguns convidados da festa, falar nisso aquele homem lançou um no Aquamen.

Em um determinado momento, os meus sensores sentiram algumas fontes de poderes se aproximando, um anel laranja ia na direção daquele demônio. E um verde ia ao meu encontro, mas?!

O brilho verde era intenso como o sol, os meus olhos brilhavam em mesma cor, ele estava ligado a mim, mas porque o verde? Porque a mesma cor que Hal Jordan?!

O anel voou até o meu dedo, eis que a iluminação veio a minha mente e a cada palavra sentir mais e mais o poder da força de vontade, aquilo que eu precisava para me tornar o novo soberano da Latvéria.

- No dia mais claro,
- Na noite mais densa,
- O mal sucumbirá ante a minha presença
- Quem venera o mal tudo perde
- Frente ao poder do Lanterna Verde!




Uma aura verde e intensa se formava, a minha força de vontade transformava aquilo em uma arma poderosa e grandiosa, uma sombra ver pairava acima do salão de festa, estava prestes a tentar aniquilar o meu inimigo.

A luta perdurava por mais algum tempo, até que o inimigo fugia e perguntas sem respostas ficavam no ar.


Latvéria...


- Este anel possui uma carga limitada pelo o que os meus sistemas detectaram... Achava que eles recebiam a energia de uma fonte distante, isso significa que provavelmente não vou conseguir o carregar com facilidade sem se unir com a tropa deles, coisa que realmente não o farei.

Fiquei ocupado com aquele anel, precisava descobrir alguma forma alternativa de o carregar, pois talvez quando descobrisse fosse o suficiente para tomar o governo para mim, ainda mais sabendo que ele era movido com a vontade, coisa que eu tinha de sobra, além dele dar muitas opções que só dependiam do meu vasto intelecto.

- Talvez converter uma fonte de energia como a do gerador da minha armadura... Preciso estudar essa possibilidade!






Notas: Notas notas ou qualquer coisa.



avatar
Victor von Doom
Vilões
Vilões

Mensagens : 201
Moedas : 1454
Data de inscrição : 02/07/2015

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capitulo 02 -- Ato 01 - Uma noite de Terror (missão rápida, único post)

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum